Menino veste azul, menina veste rosa

Frase da Ministra Damares Alves vira escândalo nacional, retrato de um país imerso em uma crise moral

4 de janeiro de 2019   /   Categoria:   /   Escrito por: Pra. Marcele Carvalho

 

Menino veste azul, menina veste rosa! Quem imaginou que em algum dia essa afirmação vivaria escândalo em algum lugar do mundo?

Infelizmente, estou viva pra ver o circo que artistinhas, ativistas e desinformados fizeram mediante a metáfora usada pela ministra Damares Alves. Uma vergonha! Nunca se viu tanta desonestidade intelectual. As pessoas preferem se passar por imbecis à interpretar uma metáfora.  Tanta coisa coisa boa foi dita no discurso de posse, mas não dava pra “lacrar”, com uma fala tão coerente e com tanto bom senso. Usaram então uma simples figura de linguagem.

A sociedade do século 21 está marcada fortemente pela hipocrisia. Pessoas levantam bandeiras das quais desconhecem completamente. Exemplo disso, o casal 20 da televisão brasileira, Angélica e Luciano Huck, fizeram seu post, ele usando rosa, ela usando azul. A escrita: rosa ou azul? Tanto faz.

Enquanto isso, resgataram foto da Angélica saindo da maternidade com seu menino enrolado numa manta azul. Isso é vergonhoso. Não o fato da criança está envolta com uma manta azul, mas sim o fato de alguém não conhecer nada de ideologia de gênero e se meter a dar opiniões.

Há muitos anos eu venho dizendo sobre a força do rosa. Tenho sido incompreendida na maioria das vezes, mas cada vez mais, vejo o quão claro está o meu raciocínio. Já faz muito tempo que o rosa deixou de ser cor e passou a ser ideologia. Na minha juventude era impossível ver um homem vestido de rosa. Não fabricavam roupas rosas para homens. Mesmo que alguém quisesse, não encontraria. A única opção era mandar fazer. Ninguém mandava fazer. Homens não vestiam rosa.

Até que em uma marcha gay, apareceu alguém de gravata cor de rosa. Daí em diante, gays passaram a usar o rosa, sempre com esse viés, de sair do armário, se assumir, mostrar a que veio. Desde então, a cor se difundiu entre a platéia masculina também. Então, não só os gays usavam rosa, todos usavam. Alguém pode dizer: mas é só uma cor. Deixe de ser tão retrógrada, tão fundamentalista.

Essa é apenas umas das estratégias usadas para a desconstrução da identidade e da família, que diz que você pode ser o que quiser, fazer o que quiser, se relacionar sexualmente com quem ou com o que quiser (pansexualismo). Recentemente o cantor de rock Serguei, assumidamente pansexual, assumiu que estava tendo um caso com sua bicicleta.

Por essas e por outras que eu digo e reafirmo, o rosa vai muito além da cor. A mensagem é muito mais profunda.

Não é a toa que crianças e adolescentes tem cometido tantos suicídios. Um dos maiores dilemas de um ser humano é saber quem é e para que veio. Na atualidade, este drama só aumentou, visto que no passado, a criança ao menos sabia se era menino ou menina. Conhecia as posturas de um homem e de uma mulher. Hoje, homens não se portam mais como homens. Eles podem ser o que quiserem também. Então, alguns se tornam exploradores de mulheres, aproveitadores, só querem o bônus nunca o ônus. Querem fazer amor, mas não querem nenhum compromisso. Estes homens, eventualmente tornam-se pais, e pense na qualidade de pais que se tornam: pais egoístas, omissos, despreocupados e isso gera filhos inseguros, com sentimentos de rejeição, gente que não conhece o seu papel e sua identidade.

Essa roda não para de girar. Sem contar a mulher, que está perdida, tentando ocupar um lugar que não é seu, tentando executar a função dos homens, declarando que não precisa de ninguém e que pode se virar sozinha mas no final da noite, se enche de tarja preta, pra conseguir dormir e repousar, dessa vida tão sem sentido e sem propósito. E todo esse papo começou por causa de uma simples cor de rosa… (risos)

Não é a toa que a sociedade está tão adoecida. Não é a toa que a depressão atingiu números alarmantes e que o suicídio aumentou tanto. Toda ação gera uma reação.  Deixem os meninos vestirem azul e as meninas vestirem rosa! Quando crescerem eles decidem o que farão, mas quanto aos pais, que sejamos uma bússola, que sejamos capazes de estabelecer os limites e que não aceitemos nenhuma doutrinação nas nossas crianças. Deixem as crianças serem apenas crianças. (Isso inclui não envolvê-las na briga do casal ou até do ex; isso inclui não estressá-las dando o fardo de terem tantas escolhas pra fazer, escolha por elas, enquanto forem crianças.)

Vida longa a nossa ministra Damares Alves, que já no primeiro dia de posse mostrou ao que veio. E veio colocar ordem na casa. Obrigada, Ministra!

É casada com Cristiano, mãe de Isaac e Isabella. Autora dos livros "O caminho da felicidade" e "Manual da esposa cristã". Tem se destacado no ministério com mulheres e famílias.

Notícias relacionadas

 

Michele Bolsonaro agradece a Deus e emociona em seu discurso

A cerimônia de posse já havia sido levemente diferente de anos anteriores com a presença de um intérprete de libras no parlatório, marca da influência de Michelle Bolsonaro na elaboração dos detalhes. Ao receber a palavra, Michelle fez um breve – porém histórico – discurso em libras, com uma intérprete traduzindo para o público ao… Leia mais