Grupos Familiares – Os interceptores do avivamento dentro de casa.

Este estudo para Grupos Familiares tem como objetivo identificarmos algumas patologias relacionais que impedem o avivamento na família e reconhecermos que nossas atitudes devem promover o avivamento no lar

25 de junho de 2019   /   Categoria:   /   Escrito por: Comunicação

 

Estudo XV – (Semana 24  a 29 de Junho de 2019)
Tema: Os interceptores do avivamento dentro de casa.
Texto Bíblico: II Reis 4.8-27


Objetivos :

  • Identificar algumas patologias relacionais que impedem o avivamento na família.
  • Reconhecer que nossas atitudes/ações devem  promover o avivamento dentro de casa.


Introdução:

A maior necessidade da nossa casa não é a conversão de um parente, a volta de um filho à casa de Deus, nem mesmo o cessar de brigas e contendas.A prioridade da família é viver o avivamento no lar. Avivamento é “uma intervenção sobrenatural de Deus em nosso modo comum de vida.” Sendo assim, para fazermos o que é certo diante das escrituras, nossa humanidade precisa ser divinizada, para que nossas ações em casa promovam o avivamento.Esse estudo nos mostra uma família dentro do modelo bíblico, mas que tinha algumas patologias relacionais que impediam o avivamento dentro de casa:

 

1º- Indiferença (V. 19)

O texto fala de um casal de boas condições financeirasque recebeu de Deus a benção de ter um filho, mesmo o marido já estando em idade avançada (V. 14). O menino cresceu e certo dia, estando ele com o pai, queixou-se de dor de cabeça. Quando o filho reclama de dor, o pai se mostra indiferente, não pergunta detalhes ao filho, não se interessa em saber o que estava sentindo. Ao contrário, pede para que ele fosse levado até a mãe.Aquele pai deveria ter perguntado ao filho o que estava acontecendo, mas ele foi indiferente à dor do menino e transferiu a responsabilidade para a mãe. A indiferença não permite que vejamos a “morte” dentro de casa. Ser indiferente é desprezar (não dar o devido valor) e menosprezar (diminuir o valor). A indiferença impede a intervenção sobrenatural de Deus na família. Deus deu ao homem a representação divina Dele aqui na terra. O Senhor deseja que os homens (maridos e pais) sejam os promotores do avivamento dentro de casa.

 

2º– Destempero(Vs. 10 e 25)

A mulher do texto era quem tomava atitudes dentro de casa: Mandou fazer um quarto para o profeta, foi em busca de ajuda, dava ordens… Ela mostrou-se destemperada. O destempero aponta para falta de autogoverno e auto-regência da língua. Deus determinou papéis para marido e mulher. Nossos dias são de misturas de valores, não se sabe quem é quem na família. A conduta está inversa, cheia de desequilíbrio e destempero. Contudo, a vontade de Deus para a mulher é a sabedoria no falar e no agir, que ela seja cheia da graça. Quando isso não acontece, ela se torna deselegante e destemperada. Atitudes insensatas ferem a sabedoria. Agindo assim, ela deixa de ser uma promotora de avivamento dentro de casa.

 

3º– Incomunicabilidade (V. 19)

Existe uma grande responsabilidade sobre nós para vivermos o “avivamento” dentro de casa. Precisamos ter a consciência que existem coisas no céu que só acontecem quando nos movemos aqui na terra. Nossas ações dentro de casa é que vão promover o avivamento ou impedir que ele aconteça.  Quando o avivamento for uma realidade em nossa casa, ele alcançará a igreja, a sociedade, a nação… Deus nos chamou para sermos agentes transformadores e promotores do avivamento. O inimigo não tem poder para destruir famílias, isso só será possível se houver uma legalidade, quando deixamos de ser o que Deus quer que sejamos. Famílias estão doentes porque não estão identificando e combatendo os interceptores do avivamento dentro de casa. Que o Senhor nos cure de toda indiferença, destempero e falta de comunicação. Nossa casa foi feita para ser cheia da graça e da glória do Eterno. Ele deseja que as pessoas da nossa família sejam saudáveis e que nossa casa tenha um ambiente avivado cheio da presença Dele. 

 

Conclusão:

O senhor Jesus poderia fazer o que bem quisesse, mas, por amor aos seus discípulos, santificou a Si mesmo colocando se ao lado da santidade vivendo uma vida incomum. Concluímos que se desejamos agradar a Deus e exercer Sua autoridade temos que buscar uma santificação mais profunda, diferente do comum e não sentindo se superior aos filhos de Deus, mas em favor deles.

Interação:

  • De que forma podemos acabar com essas patologias que interrompem o avivamento dentro de nossas casas?
  • Comente a frase: ”Não podemos ser insensíveis às necessidades do nosso semelhante”.

Bibliografia:

Palavra ministrada pelo Pr. Marcos Joaquim no culto de sábado à noite na Conferência da Família e Juventude em  22/06/19.
Estudo elaborado pela Dcª Silvia França.
Arquivo PDF para Download:Estudo GF XV Semana 24 a 29.06

Notícias relacionadas

 

Grupos Familiares – Autoridade Espiritual

Estudo XIV – (Semana 10  a 014 de Junho/19)  Tema: Autoridade Espiritual Texto Bíblico: Jó – 17:19 Objetivos : Entender a importância da santidade na autoridade. Compreender que é também em prol dos outros que devemos nos santificar. Introdução: Um pai ou uma mãe estão dispostos a se santificar pelos filhos. Um líder esta disposto a santificar se pelos… Leia mais

 

Grupos Familiares – Ame e Cuide

Estudo XVIII – (Semana 03  a 08 de Junho/19)  Tema: Ame e Cuide Texto Bíblico: Mt 8.14 e 15 Objetivos : Desafiar a amar e se importar com o próximo. Refletir sobre o cuidado como a prática do amor. Introdução: Essa narrativa se encontra nos três evangelhos sinóticos. Mateus a descreve de forma mais objetiva. Jesus vai até… Leia mais