Futuro ministro da Educação reitera oposição à ideologia de gênero: “Natureza é quem define”

27 de novembro de 2018   /   Categoria:   /   Escrito por: Comunicação

 

“Quem define gênero é a natureza”. Com essa frase, o futuro ministro da Educação no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), professor Ricardo Vélez Rodríguez, afirmou como sua gestão tratará a questão da ideologia de gênero na sala de aula.

Rodríguez foi escolhido por Bolsonaro após a bancada evangélica transmitir diretrizes que espera que sejam seguidas durante o próximo governo no que se refere à Educação no país. Os políticos chegaram a sugerir o nome do procurador Guilherme Schelb, um dos principais opositores da ideologia de gênero nas escolas, mas o presidente eleito optou pelo professor, com experiência de ministrar aulas em universidades e currículo irretocável.

Na última segunda-feira, 26 de novembro, Rodríguez condedeu uma entrevista durante um evento na universidade onde leciona, em Londrina (PR), e explicou os motivos que o fazem rejeitar a concepção de que a identidade de gênero de uma pessoa seja construída no contexto social, ao invés de ser uma determinação biológica.

“Olha, eu não concordo por uma razão muito simples: quem define gênero é a natureza. É o indivíduo. Então a discussão da educação de gênero me parece um pouco abstrata, um pouco geral”, declarou o futuro ministro da Educação, segundo informações do portal G1.

Na sequência, Ricardo Vélez Rodríguez usou o exemplo do Canadá, onde esteve recentemente, para mostrar que em geral, a ideologia de gênero vem acompanhada de uma imposição. O país aprovou uma lei federal, mas as províncias autônomas decidiram debater o tema de forma mais aprofundada e, nos locais onde o governo tem estrutura conservadora, a lei foi derrubada.

“Então eu acredito que quando consultadas as pessoas onde moram, enxergando o indivíduo, a educação de gênero é um negócio que vem de cima para baixo, de uma forma vertical e não respeita muito as individualidades. A culminância da individualização qual é? A sexualidade. Então, se eu brigo com um indivíduo, vou brigar com a sexualidade e vou querer regulamentar a sociedade por decreto, o que não é bom. Eu acho que é um tiro fora do alvo”, conceituou.

Escola sem Partido

O projeto de lei que visa impedir a doutrinação política nas salas de aula conta com simpatia do futuro ministro: “Eu acho que a doutrinação não é boa para o aluno, nos primeiros anos, no ensino básico, fundamental, tem que ser educado fundamentalmente para integrar-se na sua comunidade, no seu país, que é um país suprapartidário. Não é um partido político que vai fazer com que o menino, o jovem tenha consciência cidadã”, declarou.

Em relação ao ENEM, que o próprio Bolsonaro fez críticas agudas após ser eleito, Rodríguez deu a entender que haverá reformulação: “Tem que ser uma prova que avalie realmente os conhecimentos, e que não obrigue o aluno a assumir determinada posição com medo de levar ‘pau’. Tem muito aluno que me falou: ‘Professor, eu tento responder certo, não quero levar ‘pau’ por isso, porque tento responder o que eu espero que os questionadores [querem]’”, observou.

Notícias relacionadas

 

Menino veste azul, menina veste rosa

Menino veste azul, menina veste rosa! Quem imaginou que em algum dia essa afirmação vivaria escândalo em algum lugar do mundo? Infelizmente, estou viva pra ver o circo que artistinhas, ativistas e desinformados fizeram mediante a metáfora usada pela ministra Damares Alves. Uma vergonha! Nunca se viu tanta desonestidade intelectual. As pessoas preferem se passar… Leia mais

 

Michele Bolsonaro agradece a Deus e emociona em seu discurso

A cerimônia de posse já havia sido levemente diferente de anos anteriores com a presença de um intérprete de libras no parlatório, marca da influência de Michelle Bolsonaro na elaboração dos detalhes. Ao receber a palavra, Michelle fez um breve – porém histórico – discurso em libras, com uma intérprete traduzindo para o público ao… Leia mais