Ativistas pró-aborto vandalizam igreja evangélica e agridem fiel na Argentina

A reprovação do projeto que tornaria o aborto legalizado na Argentina em 2018 acirrou os ânimos no país

28 de janeiro de 2019   /   Categoria:   /   Escrito por: Comunicação

 

A reprovação do projeto que tornaria o aborto legalizado na Argentina em 2018 acirrou os ânimos no país, levando a hostilidades por parte do grupo que defende a interrupção da gravidez como uma medida de saúde pública. O caso mais recente de violência envolve a vandalização do templo de uma igreja evangélica.

Na última semana, a igreja na cidade de Resistencia, em Chaco, Argentina, sofreu uma série de ataques. A suspeita recai sobre integrantes do Movimento Clasista e Combativo (MCC). O templo foi pichado e, enquanto os militantes tentavam quebrar vidros da igreja, um fiel terminou ferido.

“Veio um grupo de pessoas com lenços verdes e saímos porque eles estavam pintando a igreja. Quando eu coloquei a minha mão para impedi-los, uma mulher veio e me empurrou contra a janela, me insultou e ficou me empurrando. Eu reagi dizendo ‘você não pode me tocar’, mas ela fez, eu pedi a ela para não me tocar, e eu pedi a ela para sair e eles continuaram pintando e gritando, até que eles saíram”, disse Alejandro Mainetti, fiel da congregação, ao portal Diario Norte.

Segundo informações do Mundo Cristiano, a Aliança Cristã das Igrejas Evangélicas da República Argentina (ACIERA) publicou uma declaração em que expressa o seu repúdio ao ataque contra o Centro Cristão para o Reavivamento da Igreja.

“Um grupo de aproximadamente 25 pessoas, usando lenços verdes e vestindo coletes do Movimento Clasista e Combativo (MCC), pintou na frente do templo, enquanto atacava fisicamente os membros da congregação”, descreveu a nota. Os lenços verdes se tornaram um símbolo do grupo pró-aborto durante a discussão do projeto no Congresso do país.

“Além deste evento específico, que se soma aos que muitas igrejas em diferentes cidades do país sofreram, e que a mídia nacional silenciou, estamos preocupados com essa cultura de violência e intolerância que tenta se impor como um estilo para resolver o problema da dissidência em nossa sociedade”, acrescenta o relatório.

Com a assinatura do Comitê Executivo da ACIERA, a entidade reafirmou sua solidariedade “com nossos irmãos da Resistência, reiterando nosso apelo à paz, respeito e tolerância”, conclui o texto.

A Direcção de Culto da província, uma agência do governo, também expressou pesar às pessoas afetadas no episódio infeliz e “condenou os atos de intolerância que fazer para construir a paz, compreensão e respeito mútuo pelas crenças “.

A agência provincial pediu “uma reflexão daqueles que são culpados de tais atos de agressão violenta” e pediu que “trabalhem e sirvam para construir uma comunidade pacífica que avança valores e baseado na solidariedade”.

Fonte: Gospel Mais

Notícias relacionadas

 

95% dos médicos irlandeses recusam realizar aborto

A aprovação da lei que permite o aborto até a 12ª semana de gestação na Irlanda causou um curioso movimento de reação: 95% dos médicos aptos a fazer o procedimento não se colocou à disposição do governo para atender as gestantes que queiram interromper a gravidez. O jornal irlandês Southern Star informou que menos de… Leia mais