Netflix libera documentário cristão contra a pornografia e o abuso sexual

A obra busca alertar para os efeitos destrutivos que a cultura de erotização cada vez mais precoce, lado à indústria pornográfica, estão causando na sociedade atual.

15 de fevereiro de 2018   /   Categoria:   /   Escrito por: Comunicação

 

Atualmente as opções de entretenimento e comunicação são vastas. A internet e meios de transmissão como a Netflix possibilitou que milhões de pessoas tivessem acesso a conteúdos selecionados, não precisando mais depender do bom senso das tradicionais empresas de TV e outros para conseguirem ver algo construtivo. Um exemplo disso é o documentário lançado pela organização cristã Exodus Cry, chamado “Liberated: The New Sexual Revolution” (“Liberado: A nova revolução sexual” – em tradução livre). Ele busca alertar para os efeitos destrutivos que a cultura de erotização cada vez mais precoce, lado à indústria pornográfica, estão causando na sociedade atual.

“Nós acreditamos que ‘Liberated’ desencadeará uma conversa nacional sobre normas sexuais tóxicas em nossa sociedade, particularmente entre estudantes universitários”, diz a descrição do filme em sua página no Facebook.

Os organizadores querem combater a exploração sexual através da pornografia e de ideologias, como a de gênero neutro, que têm causado estragos na vida de milhões de jovens. Chamar atenção de pais, educadores e lideranças religiosas para o fato de que a indústria pornográfica esconde em seus bastidores uma realidade cruel e por vezes doentia.
“Liberated é um filme poderoso que não só expõe as realidades da cultura de conexão e as raízes da violência sexual, mas aponta para a possibilidade da liberdade. Liberdade para conexão e auto-expressão. Todas as histórias convincentes no filme iluminam esta verdade: é hora de uma nova revolução sexual”, declarou Brooke Axtel, uma advogada que foi vítima de abuso sexual e hoje é embaixadora do filme.

A ideia de liberdade transmitida pelo filme, bem como de abuso, esta relacionada às práticas destrutivas de sexo, geralmente postas pela indústria pornográfica como “fetiches” ou desejos, mas que são, na verdade, ilusões manipuladas com a finalidade de enganar, criando uma noção deturpada de relacionamento entre pessoas.
“Nosso objetivo ao iniciar o projeto foi filmar muitos aspectos da cultura sexual hoje, e nós realmente fizemos isso. Nós também gravamos filmagens discutindo sobre a indústria da pornografia. Retornamos e encontramos toda essa filmagem de garotas sendo abusadas. A gente sabia que tinha de contar essa história”, disse o diretor do filme, Benjamin Nolot.
Os organizadores da produção alertam que algumas cenas não devem ser vistas por determinada faixa etária. Eles chamam atenção também para o fato de ser a indústria pornográfica a principal fonte de abusos sexuais, de várias espécies, não apenas físicos, mas também psicológicos.
“Chegamos à conclusão de que nunca seremos capazes de interromper a exploração sexual de mulheres e crianças se não mudarmos a cultura pornográfica que a alimenta”, diz o site da Exodus Cry.

Fonte: Gospel Mais

Notícias relacionadas

 

Pornografia é tratada como problema de saúde pública nos EUA

A Flórida está prestes a declarar pornografia como “problema de saúde pública”. Depois do Utah ter feito o mesmo em abril, após um projeto de lei criado pelo partido republicano, de perfil mais conservador. Na ocasião, o governador Gary R. Herbert declarou: “A pornografia é uma crise de saúde pública. Trata-se de um problema descontrolado,… Leia mais

 

TV americana prepara séries para ridicularizar o cristianismo

Todo início de ano as principais redes de televisão dos Estados Unidos decidem quais seriados serão renovados ou cancelados. As decisões quase sempre se baseiam na audiência e isso causa impacto na televisão de muitos outros países, uma vez que os americanos são os que mais exportam programação nesse formato. Na onda “anticonservadora” que parece… Leia mais