Grupos Familiares: Jesus, o exemplo a ser seguido!

Este estudo tem como objetivo reconhecer o exemplo que Jesus nos deu com suas atitudes e aprender sobre a importância de seguirmos o exemplo de Jesus na prática de nossa vida.

5 de março de 2018   /   Categoria:   /   Escrito por: Comunicação

 

Estudo VI (05/03 a 10/03/18)
Texto Bíblico: 
I Pedro 2.20–25
Tema:  Jesus, o exemplo a ser seguido!

Objetivos:

  • Reconhecer o exemplo que Jesus nos deu com suas atitudes.
  • Aprender sobre a importância de seguirmos o exemplo de Jesus na prática de nossa vida.

Introdução:

Jesus, quando esteve na terra, veio cumprir um propósito de Deus: Nos salvar! Ele sofreu, viveu com dignidade, honra e obediência. Ele nos deixou um legado, um exemplo a ser seguido. Esse texto é claro e direto em trazer-nos à lembrança o sacrifício, o doar-se e a entrega. Uma entrega que só Jesus podia fazer, mas que era tão dolorosa. Nesse estudo, vamos enfatizar o exemplo que Ele nos deu com suas atitudes. A salvação tem como finalidade nos levar ao céu, dando-nos a vida eterna, contudo, seu propósito também é que vivamos de acordo com os exemplos deixados por Jesus em nossa vida aqui na terra.

Exemplos deixados por Jesus:

  • 1º –  Ele não pecou (V.  22)

Jesus possuía uma natureza moral sem qualquer contaminação de  pecado. Em sua condição humana se submeteu sem se contaminar. Ele era puro. Jesus suportou a dor e o peso dos nossos pecados, mas não cometeu pecado nenhum. “Porquanto para isto mesmo foste chamados, pois que Cristo sofreu em vosso lugar, deixando-vos exemplo para seguirdes os seus passos, o qual não cometeu pecado, nem dolo algum se achou  em sua boca, pois Ele quando ultrajado, não revidava ultraje, quando maltratado, não fazia ameaças, mas entregava-se aquele que julga retamente…” Cristo assumiu a natureza humana afetada pelo pecado, mas não contaminada moralmente. Ele veio na condição de Adão antes do pecado. Em sua vida e ministério demonstrou ter íntima dependência do Pai, era guiado pelo Espirito Santo e não cometeu pecado algum. Fomos chamados para viver uma vida sem pecado com total entrega ao Senhor e totalmente guiados pelo Espirito Santo, é Ele “quem nos ensina e nos guia a toda verdade” (Jo 16.13).  Uma vida sem pecado testifica da obra redentora de Jesus para os outros. “O salário do pecado é a morte, mas  o dom gratuito de Deus é a vida eterna.” ( Rm 6.23).

  • 2 º – Ele não murmurou e não revidou. (V. 23)

O Novo Testamento relata vários episódios da vida de Jesus, onde Ele foi duramente ofendido e humilhado, porém “quando ofendido, não ofendia”. Nas situações de injúria, injustiça e ofensas, Jesus agia com sabedoria, piedade e mansidão. “[…] Aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração” (Mt 11.29). Nos deixou o exemplo de mansidão diante da injúria e ofensa. Nos ensinou a importância da palavra branda e do  silêncio. “Diz o Soberano, o Santo de Israel: No arrependimento e no descanso está a salvação, na quietude e na confiança está o seu vigor”. (Is 30.15). Moisés, quando foi injuriado por seus irmãos Arão e Miriam,  não murmurou, não revidou e não buscou sua justiça própria.  O próprio Deus o defendeu. Deus, como nosso justo juiz é quem nos defende. No âmbito humano e pessoal, quanto menos falamos,  melhor! As pessoas desenvolvem o hábito de viver reclamando, ameaçando, murmurando… Expor, ofender, não é para nós. Somos templo. Somos os que promovem a paz!  Em nenhum momento podemos alimentar a ira e a raiva. Quando necessário, precisamos pedir perdão. Quando magoamos e ofendemos temos que nos arrepender. Quando ofendidos, temos que buscar a justiça de Deus que é  “como o sol do meio dia” (Sl 37.6). Não temos que murmurar ou revidar. Deus não nos chamou para isso. O exemplo de Jesus nos ensina a “calar” e confiar na justiça celeste!

  • 3º – Que pessoa é essa que seguiu o exemplo de Jesus? (At 9.36-42 )

O texto fala de uma mulher chamada Tabita (Dorcas, em grego), que significa Gazela, Ágil. Ela era notável por suas boas obras. Ajudava principalmente as viúvas que na época eram excluídas da sociedade.  A bondade de seu coração a movia a ajudar ao seu próximo. Assim como Jesus ensinou em todo o seu ministério. Ela foi um exemplo de amor e bondade.  Dorcas ajudava e se importava com seu semelhante, sem querer nada em troca e não cobrava nada por isso.  No v. 36 ela é mencionada como uma discípula, na forma que a palavra foi usada estava fazendo referência a cristã, alguém que aprendia com os discípulos de Jesus. Ela morava em Jope, onde havia uma igreja cristã, era possível que os cristãos também se reunissem para culto em sua casa, pois esse era um costume naquele tempo (At 12.12).  Quando Dorcas faleceu a igreja se reuniu para pedir a Pedro por ela, para que clamasse pelo sobrenatural e ela voltasse a viver. Essa atitude deixa claro que ela era uma mulher querida e admirada. As pessoas falaram bem dela para Pedro. Depois de ouvir a história de Dorcas, é certo que ele concluiu que se tratava de uma pessoa exemplar, que fazia a diferença e que faria muita falta. O milagre da ressurreição aconteceu! Dorcas voltou a viver, trazendo alegria, esperança e exemplo para todos que a conheciam. Que pessoa é essa que moveu a igreja a seu favor!? Ela era uma mulher que servia, abençoava, ajudava e seguia o exemplo de Jesus. Ela era INSUBSTITUÍVEL!! Quando seguimos o exemplo do Mestre como discípulos, fazemos a diferença. As pessoas têm prazer em estar perto de nós.  Somos os que atraem os outros para junto de Deus com nossas atitudes de bondade, amor e perdão.


Conclusão: 

Estudar sobre os exemplos que Jesus nos deixou nos mostra a grandeza de seu caráter e a importância de termos uma vida diária de acordo com Ele. Jesus é o maior exemplo a seguir.  Isso não é fácil, exige de nós muito sacrifício. Mas é possível! Ele é nossa bússola suprema no mar revolto da vida. Paulo nos aconselha a buscar o mesmo sentimento, de forma que haja em nós o que houve nEle: “Embora sendo Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo…” (Fl 2.6 e 7). Só podemos ser parecidos com Jesus quando nos esvaziamos de nós mesmos e de nossa “razão”. Podemos ser felizes quando seguimos seu exemplo.  O sofrimento faz parte da vida, mas ele não pode nos tornar pessoas amargas. O Espirito  Santo nos torna pessoas boas. Assim como Jesus, não devemos murmurar nem revidar, ou buscar justiça própria.  Devemos liberar palavras de bênçãos e perdão, sermos lembrados no presente e no futuro, como alguém que promove a paz e que faz o bem. Alguém insubstituível.   Se queremos ter saúde, alegria, paz… sigamos o  exemplo dEle.  Para vivermos melhor, precisamos ser pessoas melhores, ainda que não seja fácil.  Para isso, temos um exemplo a ser seguido: JESUS!

Interação:

  • Será que estamos seguindo o exemplo de Jesus em tudo?
  • Se você morresse agora, como seria lembrado?  Você  acha que faria falta?

Bibliografia: Ministração do Pr. Cristiano Carvalho, no culto público da manhã (Ceia do Senhor) em 04/03/18.
Arquivo PDF para download: Grupo Familiar – Estudo VI – 05 a 10.03.18 – Jesus-Exemplo

[unitegallery SantaCeia04052018]

Notícias relacionadas

 

Grupos Familiares – Revelação: A principal credencial para delegação de autoridade

Estudo XLI – (04/12 – 08/12) Tema: A principal credencial para delegação de autoridade:Revelação Texto Bíblico: Números 12:1-9 Objetivos: Entender que quem é uma autoridade delegada por Deus não deve dar ouvidos a palavras caluniosas. Ter como revelação que a autoridade que está sobre ele é para representar a autoridade de Deus.   Introdução: No Antigo Testamento,nenhuma autoridade… Leia mais