Culto de Missões – Pr. Cristiano Carvalho

Neste domingo tivemos um culto repleto da presença de Deus! Dos louvores até o apelo, Deus falou profundamente com a igreja em uma noite de libertação, cura e salvação.



No culto missionário deste domingo, o Pastor Cristiano trouxe uma palavra de reflexão tremenda para a Igreja com base na passagem de Marcos 2:1-12.  O texto relata um dia típico na vida de Jesus. A multidão sabia que Ele estava ali, e foram até ele. Há riqueza de informações neste texto e com base nele listaremos 5 tipos de pessoas que existem na Igreja:

1 – Os Doentes: “E vieram ter com ele conduzindo um paralítico,” Marcos 2:3 O primeiro tipo de pessoa que você vai encontrar na Igreja são os doentes. Igreja é lugar de cura. Muitos dizem que na Igreja é lugar de “ex” alguma coisa. Sim! Aqui somos ex praticantes de pecado. Aqui é lugar de cura. O pecado adoece a alma. Jesus é o médico que trata tudo. Interessante é que Jesus nunca criticou os doentes. Ele não aceitava os que eram doentes e se faziam de sãos. Muitas vezes, nós que estamos dentro da igreja, queremos mostrar para os que estão fora da igreja que eles precisam de cura, mas temos enorme dificuldade de admitir que precisamos de cura dentro da igreja.

2 – Os que carregam os doentes: “E Jesus, vendo a fé deles, disse ao paralítico: Filho, perdoados estão os teus pecados.” Marcos 2:5 São os que se esforçam para levar os doentes até Jesus, porque entendem que eles não podem andar sozinho. São aqueles que exercem empatia e misericórdia, se compadecem. Ouve a dor do próximo. Visita, vai tomar um café, quer estar junto.

3 – Os críticos: “Por que diz este assim blasfêmias? Quem pode perdoar pecados, senão Deus?” Marcos 2:7 Esse você encontra em todos os lugares. Os críticos estão na Igreja, mas não são Igreja. Eles são os que menos fazem. Não realizam nada. Tem um ditado que diz: Quem nada faz, nada vale. De acordo com Aristóteles, há apenas uma maneira de evitar críticas: não faça nada, não diga nada, e não seja nada. Henry Ford já dizia: Não aponte defeitos, aponte soluções. Críticos se acham sempre melhores que os outros. Se perceber que o espírito da crítica quer te alcançar, repreende-o em nome de Jesus.

4 – A multidão: “E logo se ajuntaram tantos, que nem ainda nos lugares junto à porta cabiam; e anunciava-lhes a palavra.” Marcos 2:2 A multidão é quase uma entidade. Sozinho não faria nada, mas no meio da multidão ele faz. Na multidão ele quebra, rouba, destrói porque tem um monte de gente fazendo também. São aqueles que estão envolvidos, mas não são comprometidos. Atrapalham a obra. Se você não vive a Palavra na Igreja, você só atrapalha a obra e a quem quer se achegar a Jesus. A multidão que seguia Jesus quando ele fazia milagres miraculosos, ouvindo Jesus falar sobre uma verdadeira aliança, deixaram de segui-Lo. A multidão atrapalha que as pessoas cheguem até Jesus.

5 – As que curam: “Levanta-te, toma o teu leito, e vai para tua casa.” Marcos 2:11 São representados pelo próprio Jesus. Ele curava. Ele disse que em seu nome faríamos obras ainda maiores. Jesus curava. Ele nunca matou ninguém. Existem pessoas que abrem a boca para ferir. Precisamos abrir nossa boca para salvar e não matar alguém de vez. Jesus nos chamou para ser assim. Quando trouxerem alguém a nossa presença teremos uma palavra para curar. Uma das maneiras de curar e gerando comunhão (Sl 133). Quando andamos com Jesus, somos curados e restaurados para fazer o mesmo.

Precisamos ser um bálsamo vivo para curar quem está ao nosso redor. Todos nós já passamos por essas cinco categorias. Mas o propósito de Deus é que sejamos cura como Jesus e como os amigos do paralítico. Que sejamos usados no Reino para avançar, em nome de Jesus