Contra o aborto, a favor da vida

“Lido com muitas mulheres e conheço bem o estrago que o aborto faz nas emoções da mulher.“

9 de agosto de 2018   /   Categoria:   /   Escrito por: Pra. Marcele Carvalho

 
Me causa grande constrangimento perceber que em pleno século 21, na pós-modernidade, um dos grandes debates ainda seja o aborto. É de surpreender, que tenhamos evoluído tanto com as máquinas e tão pouco com as emoções e com a moral. Num tempo onde existem tantos métodos contraceptivos, chega a ser imoral considerar a descriminalização do aborto.

Lido com muitas mulheres e conheço bem o estrago que, assassinar o próprio filho, faz nas emoções da mulher. A grande maioria delas se arrepende e justifica o aborto com a falta de apoio de familiares ou do próprio companheiro. O fato é que o aborto já é permitido nos seguintes casos: quando há risco à vida da mãe causado pela gravidez, quando essa é resultante de um estupro e se o feto não tiver cérebro. Nesses três casos, permite-se à mulher optar por fazer ou não o aborto.

Ao invés de investir no aborto, porque o governo não investe nos chips contraceptivos? Eles duram três anos e poderiam ser distribuídos gratuitamente. Temos tantas soluções mais inteligentes e menos imorais. Opte sempre pela vida. O nosso direito acaba quando o do feto começa. Não tem condição de criar? Tem um monte de gente que tem. Entrega pra adoção, mas não entregue pra Moloque (espírito que pedia crianças em sacrifício).

Gerar outro ser é mágico; é sobrenatural. Não podemos fazer bebês, não sabemos fazer bebês. Não temos nenhuma administração sobre quando o óvulo será fecundado ou com qual espermatozóide. Fazemos sexo, Deus faz o bebê usando nossas células. É Deus também quem envia a alma e o espírito que vai habitar aquele corpinho. Não transforme um filho em um amontoado de células. Eles não são extensão do nosso corpo. São únicos, diferentes de nós, apesar de tão parecidos. Quem é mãe entende o que estou falando.

Indo para o quarto mês de gestação do meu primogênito, fiz uma ultrassonografia transvaginal e descobrimos dentro do meu útero um ser tão pequeno e tão perfeito! Um mini astronauta que brincava de tentar dar cambalhotas. Ele empurrava a parede uterina e no impulso quase completava a volta. As peraltices dele renderam duas circulares do cordão umbilical. 😂

Não tinha como nascer de parto normal, para não correr o risco de ser enforcado. Ali no ventre, ele já era o meu Isaac. Um menino muito ativo! Um atleta! Que não larga a bola e a corrida. Cheio de energia! Cheio de vida! Somos o que somos desde o ventre de nossa mãe. Únicos, singulares, complexos e eternos. Eu sou contra o aborto. Liberdade não é matar quem está dentro do seu útero. Liberdade é ter a tranquilidade de optar por fazer o que é certo.

 

É casada com Cristiano, mãe de Isaac e Isabella. Autora dos livros "O caminho da felicidade" e "Manual da esposa cristã". Tem se destacado no ministério com mulheres e famílias.

Notícias relacionadas